Em Sr. do Bonfim presidente do TJ-BA nega recurso e “Guerra de Espadas” segue impedida

A prefeitura de Senhor do Bonfim tentou mais uma vez, mas perdeu na Justiça no caso que envolve a tradicional “Guerra de Espadas”. Uma decisão do presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Gesilvado Britto, publicada nesta terça-feira (24), negou recurso impetrado pela prefeitura.

Na argumentação em prol da volta do evento, a gestão local disse que a prática “não constitui crime” e que o veto à prática afeta “negativamente” não só as finanças da prefeitura como também a comunidade que ganha como o aumento do fluxo “considerável de turistas durante o período de festividades juninas”.

Na decisão, o presidente do TJ-BA desconsiderou os argumentos da prefeitura e manteve a decisão do juiz Teomar Almeida de Oliveira. Em junho do ano passado, o magistrado de 1° grau classificou a “Guerra de Espadas” como um movimento criminoso.

O juiz argumentou ainda que permitir o acontecimento significaria “obrigar as pessoas que possuem imóveis residenciais e estabelecimentos comerciais no percurso do evento a disponibilizarem de recursos próprios para a proteção dos seus bens e a suportarem os riscos sérios e reais de danos aos seus patrimônios, à integridade física e à vida, para satisfazerem a lascívia pirotécnica de uma pequena parcela da sociedade”.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*