Espetáculo ‘Foi por esse Amor’ mostra relação entre pai e filho

O espetáculo “Foi por esse Amor – Uma Comédia Familiar” ganha o Galpão Wilson Mello, no Forte do Barbalho, a partir desta quinta-feira, 11, e segue em temporada até 27 de outubro. As sessões serão apresentadas quintas e sextas, às 20h, e sábados, às 18h e 20h. Os ingressos estarão à venda no local, por R$ 10 e R$ 5.

No palco, o ator João Guisande contracena com o próprio pai, seu Antônio Roque, coronel da Polícia Militar da Bahia, aposentado, baiano de corpo, alma e coração, e agora ator.

A obra traz a relação dos dois em diversas circunstâncias, do amor de ambos pelo Carnaval até as dúvidas e medos da infância, juventude e velhice, da rivalidade no futebol – Antônio (Bahia) e João (Vitória) -, as canções que os movem, da vida após a aposentadoria ao amor que rege esse encontro.

Marcam presença também na encenação, três “personagens” que migram dos espetáculos “Amnésis” e “Lembranças da Bahia” – em que Guisande atuou – e funcionam como fios condutores da dramaturgia: um vendedor de picolé, um artista de rua e um esquizofrênico. Pai e Filho também são personagens e ainda interpretam familiares.

“Em tempos sombrios, em que temas como fascismo, ditadura e censura voltam a atormentar o cenário político e social, resolvo trazer meu pai, coronel aposentado da Polícia Militar para a cena. Juntos contracenamos e trazemos uma única palavra: amor”, comenta João Guisande.

Trazendo a poética do teatro documentário, pai e filho estreiam no Forte do Barbalho, local utilizado na ditadura militar para interrogar e prender presos políticos. “Além disso, era nesses galpões que os artistas da Bahia apresentavam aos censores os espetáculos, antes de estrearem”, conta Tonho, como é conhecido Antônio Roque, que acaba de fazer seu primeiro curso de teatro.

A direção musical é de Ronei Jorge, que se baseia na canção Marinheiro Só, gravada por diversos cantores brasileiros, inclusive por Caetano Veloso. A dramaturgia e direção é de João Guisande. A iluminação é de Alisson de Sá.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*