Poeta baiano se destaca na Europa e ganha notoriedade no Brasil

O Poeta Crispim Quirino, natural da Patriótica Cidade de Maragogipe, Recôncavo da Bahia, vem se destacando no cenário artístico-literário por suas produções, cujos temas vão desde a crise da sociedade à pós-modernidade, com enfoque às ações populares e relevantes para o desenvolvimento social e humano enquanto existência individual e coletiva.

No dia 14 de março de 2013, o Poeta Crispim Quirino recebe, em sua casa, uma carta real do Buckingham Palace, residência oficial da Rainha da Inglaterra Elizabeth II, a “única endereçada em todas as Américas a um escritor (baiano)”, colocando a Bahia, sobretudo a Patriótica Cidade de Maragogipe no Recôncavo da Bahia, no circuito dos grandes poetas e escritores.

Para o Poeta Crispim Quirino, essa carta real, “é o reconhecimento e fruto do trabalho literário, tão em evidência em nossa Bahia, desde Durval de Moraes, Maragogipano, conhecido pelos franceses durante o século XIX como o príncipe da poesia baiana, a Antônio Conselheiro Rebouças, outro nativo e grande jurista e auxiliar de Dom Pedro II, além de Osvaldo Sá com sua escrita peculiar e memorialista local, sem falar dos mestres referenciais como Castro Alves, Gregório de Mattos, Ruy Espinheira Filho, Carlos Ribeiro, dentre outros; nacionalmente, Carlos Drummond de Andrade, Ruy Barbosa, Machado de Assis, Jorge Amado, Manuel Bandeira, João Guimarães Rosa, Jorge de Lima, Lima Barreto, Graciliano Ramos, Manuel Raimundo Querino e José de Alencar…

Num tempo em que a falta de incentivo cultural e apresentações artísticas e literárias nas cidades da Bahia, sobretudo em Maragogipe, se fazem latentes, a violência se torna espetáculo. E isso não deve prevalecer. O que deve existir é incentivar a cultura do Recôncavo da Bahia e do Brasil como estratégia de desenvolvimento e crescimento social, humano e plural. A cultura é a entrada e a saída pra isso…” completa o poeta.

Crispim Quirino tem dois romances publicados, “O Mistério de Eduardo” (EGBA-2012) e “Petróleo, navio e gás” (EGBA/Artpoesia-2013). O primeiro romance fala da sociedade esquizofrênica e suas contradições, assim como inova na linguagem e no referencial de tempo, espaço e identidade. Bem contemporâneo – Esse apreciado pela família real inglesa. Já o segundo romance fala do Estaleiro Naval Enseada de São Roque do Paraguaçu, o segundo maior empreendimento naval da América Latina, hoje parado por consequência da Lava-Jato que investiga esquemas de corrupção no empreendimento instalado em Maragogipe.

O livro é o primeiro a abordar o assunto, naval, dentro de um Estaleiro, trazendo a cultura local, regional, nacional e internacional, além de valorizar a mulher operária e denunciar abusos nas relações de trabalho e capital. Enquanto o primeiro romance, “O Mistério de Eduardo” trata a cidade de forma filosófica e complexa, ganhando dimensão universal, o segundo romance “Petróleo, navio e gás” trata a cidade e o tema do Estaleiro Naval como algo peculiar, transformador e necessário à cultura regional, daí a linguagem bem maragogipana, embebida de Jorge Amado: livre, sexual, coloquial, sutil, irônica, real e sonhadora – é o que se entende da pós-modernidade…tanto filosófica, como no primeiro livro, quanto coloquial, como é o caso do segundo livro…

O poeta e escritor baiano tem inúmeros prêmios literários: ganhou o concurso Ibero Americano junto a EDC Publicações de poesia; foi professor de literatura e coordenador nos cursos pré-vestibular “Raízes Negras do Recôncavo” em Cachoeira/São Félix e “Acidadã”; foi membro do Grupo Ambientalista e Teatral Guigui em sua cidade natal; fez parte inconteste do Caruru dos 7 Poetas (2009) em Cachoeira; tem marcado presença no concurso de poesia “Os 13+” (2010) por sua cidade.

Quirino foi um dos ganhadores do concurso de poesia da Maçonaria em Cachoeira (2011); em 2012 foi agraciado com a participação, via concurso internacional, no “Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus” onde homenageia o escritor baiano Jorge Amado em antologia publicada na 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo e foi secretário de cultura pela “Fundação Verde e Arte” de São Félix. Participou da Antologia poética “O diferencial da favela – Poesias quebradas de quebrada” (2014), promovido pela Fundação Gregório de Matos e Prefeitura Municipal de Salvador em parceria com o grupo Sarau da Onça e etc. Dessa forma o artista ajuda a colocar a Bahia e o Brasil em destaque e nos meios dos grandes escritores da contemporaneidade local, nacional e internacional.

Viva o Brasil! Viva a Bahia! Viva a Patriótica Cidade de Maragogipe! Viva a São Bartolomeu, Padroeiro da Cidade, que neste mês de agosto festeja em demasia.
Filho de Carlos Dias Quirino e Rosângela dos Santos, Crispim Santos Quirino escreve desde os treze anos. Escreveu nos jornais “O Guarany” de Cachoeira e na “Tribuna Popular” de Maragogipe. Atualmente, vem se destacando na política cultural e local da Cidade.

Crispim Quirino é poeta, escritor, ator, professor, ativista cultural e museólogo pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Nascido em 20 de novembro de 1984 junto a seu irmão. Tem no prelo “Imagens ao vento”, seu livro de poesia com mais de 670 páginas, e está elaborando o terceiro romance “Anjos do Mar: Romance em Dó Maior”, além de um ensaio de filosofia “Do Silêncio”, enfim.
Facebook do autor: “Crispim Quirino” ou “Poeta Quirino”. Aproveite e conheça nossos atuais artistas do Brasil. Brasileiros, brasileiros corações…

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*